parkinson

Como ajudar o familiar com Parkinson

O Parkinson é uma doença degenerativa, crônica e progressiva que ataca o sistema nervoso central. Provoca a morte de células do cérebro que são responsáveis por produzir dopamina, um neurotransmissor que regula os movimentos do corpo.

De forma prática, os principais sintomas motores são a lentidão dos movimentos, a dificuldade de andar, falar e se movimentar corretamente, tremores – muitas vezes não perceptíveis por terceiros -, rigidez dos membros e postura instável.

Já os sintomas não motores do Parkinson afetam a visão, a audição e o olfato, além da razão. Podem ser apresentados problemas cognitivos, demência, perda de memória, alucinações e desordens psicológicas.

É importante que a família tenha um olhar extremamente atento. A qualquer pequeno sinal, ela deve encaminhar o familiar ao médico, pois o diagnóstico e tratamento precoces promovem uma melhor qualidade de vida à pessoa.

O Ministério da Saúde estima que mais de 200 mil brasileiros convivem com a doença; a maioria com mais de 60 anos. As causas ainda não são precisamente conhecidas, mas acredita-se que há fatores genéticos e ambientais envolvidos no surgimento da patologia.

Por ser uma doença crônica, não existe uma cura definitiva, mas um tratamento cujo objetivo é garantir a qualidade de vida pelo maior tempo possível. De remédios a cirurgias, cada solução é feita de forma específica para cada paciente, sendo sempre importante uma avaliação junto a um médico.

 

Parkinson: afinal, como ajudar meu familiar?

O primeiro passo para ajudar o familiar que tem Parkinson é incentivá-lo e encaminhá-lo o quanto antes para o tratamento. Além disso, o apoio sincero e a paciência por parte da família se mostram um grande diferencial no tratamento.

É válido um olhar atento a um possível desenvolvimento de depressão. Segundo o Doutor Erich Fonoff, quadros de depressão e ansiedade são comuns em pacientes com doenças crônicas. Estima-se que a depressão, isoladamente, é a alteração não-motora mais comum na doença de Parkinson, presente em quase 50% dos pacientes.

Você também pode ajudar seu familiar ao oferecer um ambiente seguro. As limitações causadas pela doença exigem que a residência da pessoa acometida com a doença seja adaptada.

Os itens utilizados com mais frequência devem estar sempre acessíveis em todos os cômodos. Pisos antiderrapantes, corrimão ou barras de suporte são recomendáveis.

Outro conselho muito importante é dar tempo para que a pessoa execute suas atividades, sem a apressar. Lembre-se de que os movimentos, antes “automáticos”, agora precisam ser planejados antes. Isso evita muitas irritações e ansiedades.

Ainda nesse sentido, não se ofereça imediatamente para fazer algo pela pessoa. É importante que ela mantenha autonomia e se esforce para fazer o máximo possível sozinha.

Enquanto a pessoa executa, por mais simples que seja a atividade, deixe que se concentre. Isso porque pode ser difícil prestar atenção em uma conversa enquanto está fazendo algo.

Por fim, além dos remédios, estimule a pessoa a fazer atividades físicas e intelectuais. Caso opte por contratar um cuidador, escolha empresas especializadas.

A Viver Cuidadores oferece parcerias que estimulam terapias auxiliares como fisioterapia, fonoaudiologia e suporte psicológico, exercendo um papel importante na melhoria da qualidade de vida e independência do paciente.

Estamos disponíveis para auxiliá-lo da melhor maneira possível! Entre em contato.

Tags: No tags

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *